16 de maio de 2018 às 17:24

Dfesa pede que STF não envie a Moro complemento de delações da JBS sobre Lula

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu que os termos complementares da delação da JBS que fazem menção ao ex-presidente não sejam enviados ao juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na 13ª Vara Federal de Curitiba, e

Crédito:AP Photo/Eraldo Peres

AP Photo/Eraldo Peres

Lula durante caravana em Curitiba, em abril deste ano

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu que os termos complementares da delação da JBS que fazem menção ao ex-presidente não sejam enviados ao juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na 13ª Vara Federal de Curitiba, e que sejam remetidos à Justiça Federal de Brasília.

Os advogados do petista fizeram o pedido ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, relator da delação da JBS, após a PGR (Procuradoria-Geral da República) apresentar 80 pedidos de desmembramento nas investigações da JBS.

No caso de Lula, a Procuradoria pediu que ficasse com Moro os depoimentos complementares que tratam de suspeitas de repasses ilegais da empresa feitos em conta no exterior que teriam como beneficiários políticos do PT.

A defesa do ex-presidente pediu a Fachin que as citações dos delatores sejam remetidas à Justiça Federal de Brasília, onde já tramita um processo que teria ligação com essas suspeitas.

Os anexos complementares à delação da JBS foram entregues pelos delatores em agosto do ano passado. A PGR afirma que não fez os pedidos de desmembramento antes pois aguardava uma decisão do STF sobre o pedido de recisão do acordo de colaboração dos delatores Joesley Batista e Ricardo Saud.

Cada pedido de desmembramento diz respeito a um conjunto de provas e fatos sob investigação e poderá tanto ser anexado a uma investigação já em andamento quanto dar origem a um novo inquérito.

Fonte: UOL

comentários

| Rádio Guarujá AM 1550 kHz'); }
Estúdio Ao Vivo