16 de abril de 2018 às 15:49

Facebook teria ferramenta para prever e vender comportamentos de usuários

Um documento confidencial do Facebook recebido por um repórter do portal "The Intercept", e com conteúdo divulgado na sexta-feira (13) mostra que a empresa de Mark Zuckerberg teria em mãos uma tecnologia com "superpoderes" sobre dados de usuários ainda ma

Crédito:Michael Dalder/Reuters

Michael Dalder/Reuters

Um documento confidencial do Facebook recebido por um repórter do portal "The Intercept", e com conteúdo divulgado na sexta-feira (13) mostra que a empresa de Mark Zuckerberg teria em mãos uma tecnologia com "superpoderes" sobre dados de usuários ainda maiores do que os que já conhecemos após o escândalo da Cambridge Analytica.

O documento descreve um novo serviço de publicidade que em vez de oferecer aos anunciantes a capacidade de segmentar pessoas com base em dados demográficos e preferências do consumidor, o Facebook oferece a capacidade de orientar os anunciantes com base no futuro: em como os usuários vão se comportar, o que vão comprar, e o que vão pensar. 

VEJA TAMBÉM:

Esses recursos viriam de um motor de previsão com tecnologia de inteligência artificial auto-aperfeiçoável, revelado pela primeira vez pelo Facebook em 2016 e apelidado de "FBLearner Flow". Funcionaria da seguinte forma:

O documento não detalha quais informações estão inclusas ou excluídas do mecanismo de previsão, mas mas faz menção a localização, informações do aparelho do usuário, redes wi-fi, uso de vídeo, afinidades e detalhes de amizades (incluindo quão similar um usuário é de seus amigos).

A reportagem ouve especialistas e levanta a possibilidade de que o sistema, se for real, possa ser usado para manipular usuários, influenciar eleições ou fortalecer negócios --estragos similares ao que a Cambridge Analytica realizou, ao usar conteúdo de 87 milhões de usuários em campanhas políticas como a de Donald Trump e o plebiscito "Brexit".

O Facebook enviou ao UOL Tecnologia um comunicado sobre o assunto confirmando o uso de aprendizado de máquina na publicidade --algo que já era de conhecimento público -- mas não essa ferramenta apontada pelo "Intercept": "O Facebook, assim como outras plataformas de anúncios, utiliza o machine  learning [aprendizado de máquina] para mostrar os anúncios certos para as pessoas certas. Não temos intenção de saber o que as pessoas pensam ou sentem, tampouco compartilhamos informações pessoais com anunciantes", diz o texto.

Fonte: UOL

comentários

Estúdio Ao Vivo